+55 (11) 3673-1388

Diretrizes

ASA (American Society of Anesthesiologists)

asa2

 

 

 

Sistema de classificação de estado físico ASA

Práticas para o manejo perioperatório de pacientes com dispositivos cardíacos eletrônicos implantáveis

Buscar o manejo adequado e controle contínuo da via aérea, pelos profissionais de saúde, é fundamental para garantir a segurança e proteção dos pacientes. Mas existem situações clínicas onde as características físicas e/ou fisiológicas representam dificuldades e desafios para o controle da via aérea. Podem ocorrer eventos adversos de gravidade elevada relacionados a falha da capacidade de ventilação pulmonar e com a rápida instalação de hipoxia. Na década de 1990, estes eventos foram foco de muita atenção e alguns estudos alertaram que cerca de 72% dos eventos poderiam ter sido evitáveis (Closed Clains Analysis – Anesthesiology 72(5):828-833, May 1990). Como resposta, a American Society of Anesthesiologists (ASA) formou uma força tarefa de especialistas que elaborou e lançou em 1993, o primeiro Practice Guideline for Management of the Difficult Airway. Este documento foi inovador e pioneiro pois além de apresentar definições claras e objetivas de conceitos (definição de Via Aérea Difícil) e cenários clínicos possíveis (Via aérea difícil prevista, Via aérea difícil não prevista, Dificuldade de ventilação e/ou intubação traqueal), também oferecia recomendações e orientações para um atendimento racional e eficiente dos problemas.

Este algoritmo foi revisado e atualizado em 2003 e 2013 onde foram incorporados dispositivos revolucionários como por exemplo: os supraglóticos e os videolaringoscópios. A ASA apresenta a mais nova atualização agora em 2022 e autorizou a SAESP a oferecer uma versão em português aos anestesiologistas brasileiros.

O 2022 American Society of Anesthesiologists Practice Guidelines for Management of the Difficult Airway

Esta atualização mostra como principais novidades:


Um time de especialistas Internacional. Diferentes dos anteriores, esta força tarefa contou com especialista de vários países além dos Estados Unidos, como: Índia, Irlanda, Itália e Suíça. Várias Sociedades internacionais também contribuíram.

Novas recomendações para administração de oxigênio suplementar antes, durante e após a manipulação da via aérea.

Discute alternativas para ventilação invasiva e não invasiva nos cenários de via aérea difícil.

Enfatiza a importância de ficar atento a passagem do tempo durante as manobras e de minimizar o número de tentativas com diferentes equipamentos ou técnicas.

Discute de forma mais robusta as recomendações para a extubação traqueal e do manejo da via aérea pediátrica.

Apresenta novos infográficos que podem ser uteis para consultas rápidas e como painéis de orientação.

Os algoritmos e guias para controle da via aérea se mostraram, ao longo do tempo, extremamente importantes porque chamaram a atenção da comunidade médica para os desafios e dificuldades relacionados ao manejo adequado da ventilação e oxigenação dos pacientes, eles mudaram positivamente a prática dos anestesiologistas por todo o mundo, contribuindo para aumento da segurança dos pacientes e diminuição dos desfechos desfavoráveis.

Dr. Maurício Malito

Este material pode ser baixado gratuitamente pelo link a seguir.

2022-American-Society-of-Anesthesiologists-Practice-Guidelines-for-Management-of-the-Difficult-Airway-Portuguese.pdf (saesp.org.br)

 

ESAIC (European Society of Anaesthesiology and Intensive Care)

esaic

 

 

 

 

 

Sedação e Analgesia em procedimentos em adultos

Profilaxia perioperatória do tromboembolismo venoso

Tromboembolismo Venoso em Cirurgia cardiovascular e torácica

Neurocirurgia

Cirurgia em idosos

Cirurgia ambulatorial e cirurgia fast-track

Cirurgia durante a gravidez e no puerpério

Cirurgia no paciente obeso