C. SAESP 211-2018
São Paulo, 13 de agosto de 2018.

Doutor Gualter Lisboa Ramalho
M.D. Presidente do Conselho Superior da Sociedade Brasileira de Anestesiologia
e demais membros do Conselho Superior da SBA
Com cópia:
Diretoria da SBA


Prezados colegas,

Nos últimos anos temos participado, dentro do Conselho Superior da SBA, de debates intensos e profícuos sobre o modelo de escolha dos membros da diretoria de nossa sociedade nacional. No cerne da questão encontra-se a necessidade, identificada e clamada por muitos associados, de uma representação regional e de uma participação mais efetiva na escolha dos destinos e na gestão da nossa sociedade. Estas discussões evoluíram até a elaboração de um modelo de escolha sucessória que contemplava uma renovação periódica, através da sugestão de novos membros para a diretoria indicados pelas sociedades regionais e validados pelo Conselho Superior. Buscava-se assim dar maior transparência na composição de uma nova diretoria e representatividade às regionais e, em última instância, a todos os nossos associados. Este modelo foi satisfatoriamente testado, em 2017, resultando na eleição de uma diretoria eficaz, plural e mais representativa.

Desde o primeiro momento, a SAESP institucionalmente aderiu a este debate, à construção do modelo proposto e ao compromisso da sua manutenção. Acreditamos que este movimento precisa se consolidar, se reavaliar e fortalecer, fundando bases sólidas para um modelo político ético, transparente e comprometido de fato com o associado e os interesses da anestesiologia brasileira.

Entretanto, pudemos observar um nítido retrocesso e quebra no encaminhamento proposto durante este ano. No mesmo período, procuramos demonstrar abertamente, em todos os fóruns cabíveis, a nossa insatisfação com a forma com a qual o processo de escolha dos integrantes para concorrer à diretoria da SBA vinha sendo conduzido, bem como todo o nosso comprometimento com a proposta anteriormente definida.

Dessa forma, não nos restou alternativa factível a não ser nos alijarmos de tratativas para indicação de associados para integrar quaisquer eventuais chapas que concorram à diretoria da SBA no ano de 2019. Nem seria necessário colocar que apoiaremos toda e qualquer iniciativa que entendamos ser necessária e benéfica para a anestesiologia brasileira e para os nossos associados. Entretanto, agir diferentemente no momento seria compactuar com e respaldar o retorno de um processo político que consideramos obsoleto e pouco representativo, afastando não apenas a SAESP mas todas as outras regionais de um novo modelo de gestão que pode corroborar com o crescimento da anestesiologia brasileira.

Sendo o que se coloca para o momento,
Renovamos protestos de estima e consideração,



Carlos Othon Bastos
Presidente SAESP (2018-2019)